terça-feira, 19 de maio de 2015

Genocídio....por profª Alcilene Rodrigues

                                      
O termo "Genocídio" não existia antes de 1944; ele foi criado como um conceito específico para designar crimes que têm como objetivo a eliminação da existência física de GRUPOS nacionais, étnicos, raciais, e/ou religiosos. Em contraste, "direitos humanos", tais como definidos pela Declaração dos Direitos do Cidadão nos Estados Unidos ou pela Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948, dizem respeito a direitos INDIVIDUAIS.
Em 1944, Raphael Lemkin (1900-1959), um advogado judeu polonês, ao tentar encontrar palavras para descrever as políticas nazistas de assassinato sistemático, incluindo a destruição dos judeus europeus, criou a palavra "genocídio" combinando a palavra grega geno-, que significa raça ou tribo, com a palavra latina -cídio, que quer dizer matar. Com este termo, Lemkin definiu o genocídio como "um plano coordenado, com ações de vários tipos, que objetiva à destruição dos alicerces fundamentais da vida de grupos nacionais com o objetivo de aniquilá-los". No ano seguinte, o Tribunal Militar Internacional instituído em Nuremberg, Alemanha, acusou os líderes nazistas de haverem cometido "crimes contra a humanidade", e a palavra "genocídio" foi incluída no processo, embora de forma apenas descritiva, sem cunho jurídico.
Em 9 de dezembro de 1948, sob a sombra recente do Holocausto e em grande parte pelos esforços incansáveis de Lemkin, as Nações Unidas aprovaram a Convenção para a Prevenção e Punição de Crimes de Genocídio. Esta Convenção estabeleceu o "genocídio" como crime de caráter internacional, e as nações signatárias da mesma comprometeram-se a "efetivar ações para evitá-lo e puní-lo", definindo-o assim:
Por genocídio entende-se quaisquer dos atos abaixo relacionados, cometidos com a intenção de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial, ou religioso, tais como:
(a) Assassinato de membros do grupo;
(b) Causar danos à integridade física ou mental de membros do grupo;
 (c) Impor deliberadamente ao grupo condições de vida que possam causar sua destruição física total ou parcial;

(d) Impor medidas que impeçam a reprodução física dos membros do grupo;
(e) Transferir à força crianças de um grupo para outro.
Embora muitos casos de violência contra determinados grupos hajam ocorrido ao longo da história, e mesmo após a Convenção haver se tornado válida, o desenvolvimento internacional e jurídico do termo concentra-se em dois períodos históricos distintos: o primeiro, a partir da criação do termo até sua aceitação como lei internacional (1944-1948), e o segundo, desde que ele foi efetivado através do estabelecimento de tribunais para o julgamento de crimes internacionais de genocídio. A prevenção do genocídio, também parte integral da Convenção, é um desafio que nações e indivíduos ainda enfrentam.

Para mais informações, visite a página do Comitê da Consciência, do Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos . O mandato do Comitê da Consciência é o de alertar a população, trabalhar junto a legisladores para informá-los sobre o tema, bem como estimular ações mundiais para confrontar e coibir atos de genocídio ou outros tipos de crimes contra a humanidade.
Na foto, o professor Raphael Lemkin (à direita) e o Sr. Ricardo Alfaro, panamense, presidente do Comitê Legal da Assembleia, conversam antes da sessão plenária da Assembleia Geral na qual foi aprovada a Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio.
Observação:Etnocídio é a destruição da cultura de um povo.

— United Nations Archives and Records Management Section


Na foto, o professor Raphael Lemkin (à direita) e o Sr. Ricardo Alfaro, panamense, presidente do Comitê...


Genocídios no Brasil

No Brasil também temos exemplos de genocídios e etnocídios. O maior deles está relacionado com a abordagem do Estado com a população indígena, que, no decorrer da história do país, foi perseguida, retirada de suas terras e destituída de qualquer direito sobre a própria cultura. Estima-se que durante o período colonial cerca de cinco milhões de índios viviam no território brasileiro. Atualmente, segundo o Censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população indígena é de pouco mais de 800 mil pessoas. Os trabalhos realizados pelo governo, a partir da Constituição de 1988, ganharam alguma força nos últimos anos, e órgãos como a Fundação Nacional do Índio (Funai), criada em 1967, que tem como função “ proteger e promover os direitos dos povos indígenas no Brasil”, serviram para mediar e representar as necessidades da população indígena.
Outro exemplo, mas menos conhecido, é o episódio chamado de “holocausto brasileiro”, em que mais de 60 mil internos do “Hospital Colônia de Barbacena”, localizado em Barbacena, Minas Gerais, morreram vítimas de negligência, fome e maus-tratos físicos e psicológicos. O caso veio a público e ganhou grande repercussão em 2012 por meio da jornalista Daniela Arbex, autora do livro “O holocausto brasileiro”, que reconta os sofrimentos e os acontecimentos que resultaram na morte dos pacientes internados no hospício “Colônia.

Responda:

1-O que é Genocídio e Etnocídio? Dê exemplos.

2-Cite exemplos de Genocídio e Etnocídio praticados no Brasil.








quinta-feira, 14 de maio de 2015

Aspectos políticos, econômicos e militares da Nova Ordem Mundial..por profª Alcilene Rodrigues

Geografia Geral


 Pesquisa Individual:


                                                        A Nova Ordem Mundial
                                                                Características
Militares
Econômicas
Políticas
Tecnológicas
Socioeconômicas

Mundo
Monopolar

Mundo
Unipolar
Formação de
Blocos
Econômicos
Regionais
Ascenção
Econômica dos
Países
emergentes
Em termos
Políticos temos
um mundo
bastante desigual
em que nações
mais ricas
dominam
politicamente
as  nações mais
pobres . Exemplo
ONU: Dominada pelas grandes potencias.
Grandes
Desigualdades
 Tecnológicas
 enquanto alguns
países dominam
setores da 3ª R.I.
muitos outros
ainda sobrevivem
da exportação de
produtos primários.

Grandes desigualdades
Sociais entre as nações. Exemplo: países de
Populações ricas com
 níveis educacionais altíssimos
Em meio à países
dominados
pela AIDS com grande
parcela da população analfabeta.
Bases Militares
Americanas espalhadas no
Mundo todo
Globalização
das grandes
empresas



OTAN,
OCS,
CEI
Organização
mundial do
 comércio que
 regula o
comércio
mundial OMC



Alianças
Militares
Dominação
Econômica dos
Países ricos







Termos:
Bipolaridade- representa dois pólos de poder (ordem vigente durante a Guerra fria)
Multipolaridade- Vários pólos de poder.
Bipolaridade - poder militar.
Multipolaridade - poder econômico , potencias tradicionais potencias emergentes
Alianças militares- representam blocos de países que, estabelecem, entre si ajuda mútua em casos de guerra. 
Eixo do mal: Coréia do Norte, Irã, Cuba, Venezuela, Afeganistão e Iraque.
Alinhados militarmente aos EUA:América, Europa, Índia, Africa do Sul, Austrália, Indonésia e Japão.

Lição de casa:
Com base em seus conhecimentos, responda:
1-globalização e a formação de blocos econômicos são processos excludentes? Justifique 
2-Estabeleça uma diferença de objetivos entre a União Européia e outros blocos econômicos.
3-Após reunir informações e com base nelas, redija um texto dissertativo sobre o tema proposto.
4- "Seu Cristo é judeu. Seu carro japonês.Sua pizza italiana.Sua democracia, grega. Seu café, brasileiro. Seu feriado, turco. Seus números, árabes. Suas letras, latinas. Só seu vizinho é estrangeiro". Em 1994, estes dizeres foram estampados em cartazes espalhados pelas ruas de Berlim, capital da Alemanha (Fim da Guerra Fria- Unificação da Alemanha.)
a) De acordo com que foi estudado, é possível dizer que a situação do imigrante no contexto mundial sofreu alterações? Justifique sua resposta.
b) Aponte os principais problemas vivenciados por imigrantes no mundo destacando sobretudo o que tem ocorrido na Europa.
c) A ironia do cartaz retrata situações significamento contraditórias. Em sua opinião, quais são as contradições que podem ser apontadas no texto do cartaz? Justifique sua resposta.





sexta-feira, 1 de maio de 2015

Em quantos reinos se dividem os seres vivos?...por profª Alcilene Rodrigues

Biologia- aula 1
A nova ordem da Vida...é a nova proposta da classificação para os seres vivos.


Considerando todos os seres vivos, estão descritos e catalogados quase dois milhões de espécies. Mas esse número está longe do total real; segundo algumas estimativas, pelo menos 50 milhões de espécies ainda não teriam sido descritas. O sistema de classificação usado hoje distribui os seres vivos em cinco grandes reinos: Monera, Protista, Fungi, Animalia (ou Metazoa) e Plantae ( ou Metaphyta). A distribuição das espécies entre os reinos segue critérios específicos, como o tipo de organização celular, o número de células e a forma de obtenção de alimento.

O reino Monera inclui seres unicelulares(com só uma célula) e procariontes (sem membrana nuclear, ou seja, sem núcleo definido), como as bactérias e as algas azuis. No reino Protista estão organismos unicelulares e eucariontes (com membrana nuclear), como protozoários e outros tipos de algas unicelulares. Já o reino Fungi abrange organismos uni ou pluricelulares (com mais de uma célula) e eucariontes que obtêm seu alimento por absorção, como os fungos mofos, leveduras e cogumelos). O reino dos animais (Animalia) inclui organismos pluricelulares e eucariontes que se alimentam por ingestão. Finalmente o reino vegetal (Plantae) reúne os organismos pluricelulares e eucariontes que sintetizam seu alimento.
nem sempre se utilizou o sistema de cinco reinos. Na antiga classificação, os seres vivos eram divididos em dois grandes reinos: animal (protozoários e animais) e vegetal (vegetais, fungos, bactérias e algas). O sistema atual proposto em 1969 por R.H.Whittaker  é bastante aceito.
Atualmente, adotamos o sistema de Whittaker com algumas atualizações provocadas por dados mais recente. Novas propostas têm sido feitas por cientistas, incluindo três, quatro e até mais de cinco reinos, mas com pouca aceitação da comunidade científica. Isso mostra que um sistema de classificação não representa a verdade absoluta, mas é dinâmico e mutável, devendo ser sempre aperfeiçoado para que se aproxime cada vez mais da organização real dos seres vivos.
Os vírus não estão incluídos nessa classificação. Há divergências científicas sobre seu enquadramento ou não no mundo vivo, e alguns cientistas os veem como representantes da transição entre a matéria bruta e a matéria viva.


                                                     Robert Harding Whittaker 
                     

Agora, responda às questões:
1- Qual é o significado do termo morfologia?
2- Em uma folha à parte construa um quadro comparativo dos cinco reinos a partir das informações presentes no texto acima.
3- As algas e os protozoários forma o reino Protoctista. Eles apresentam mais semelhanças entre si do que com qualquer outro grupo? Explique utilizando as informações presentes no esquema.